segunda-feira, 9 de fevereiro de 2015

Novas Roupas Velhas

Não vou mentir.
Sou consumista e tenho um closet abarrotado de roupas, sapatos e acessórios.
Já fui bem mais consumista, hoje em dia sou mais consciente das minhas compras. Penso se o que estou comprando vai combinar com o que já tenho ou se realmente estou precisando daquilo.

Claro que vez ou outra ainda levo umas coisas pra casa que depois penso, "WTF Por que raios comprei isso?", mas faz parte.
Bem o principal aqui, vai ser uma dica que tem me ajudado muito a diminuir meu excesso de compras:

"Use o que você já tem!"

Parece simples não é? Mas não é bem assim.
Aquela velha sensação de "não tenho o que vestir", estando na frente de um guarda-roupa lotado é comum, mas a verdade é que temos os olhos treinados a olhar sempre pras peças que mais gostamos e aí, óbvio que elas vão se repetir com frequência.

Então o exercício aqui é o seguinte:

  • Comece por tirar um tempo para organizar seu guarda-roupa.

Só nesse passo, você vai descobrir muitas peças que não usa a muito tempo, ou nem sabia que tinha.
Dê aquela geral e faça a limpa de roupas que não tem mais jeito, muito velhas, rasgadas, manchadas, curtas demais, largas demais ou justas demais.
O que ainda estiver em um estado Ok, doe. Doe para instituições, amigos, parentes, vizinhos. O que não te serve, pode servir pra outro.

Vou engordar ou Vou Emagrecer
Não, você não vai... Sorry, mas aquela sua calça que você usava há 10 anos atrás não vai entrar hoje em dia, não adianta guardar nem pros próximos 10 anos. E se acontecer o milagre de servir, provavelmente o modelo não vai ser muito "atual"...Fazer a Paquita com shorts branco de cintura alta e 2 palmos de cavalo, não rola né?


  • Organize

Ou por cores ou por tipo de peças ou as 2 coisas. Mas o importante é criar um padrão, onde você consiga se lembrar do que tem ou achar fácil.
Junte todas as suas calças e coloque-as em ordem de cor, ou de tecido ou de estilo, por exemplo.

Até este ponto eu já tenho muita noção do que tenho no meu guarda-roupa, então os próximos passos ficam fáceis.


  • Escolha a PEÇA CHAVE


Escolha uma peça especial, a "peça chave" por dia ou por semana, dependendo do seu tempo disponível.

Você olha o que tem, ou veja algo legal em uma revista ou site e aí você vai trabalhar essa peça.
A peça Chave, pode ser qualquer peça, uma blusa, uma camisa, uma saia, um sapato, um colar, uma cor de maquiagem. Qualquer item  e só precisa ser 1. E você vai focar nessa peça e combinar com o restante de peças que você tem disponível.


  • Exemplo:

   -Escolhi uma blusinha listrada de branco e azul marinho. Gosto dela, mas não usava a muito tempo e sempre deixava ela pra lá na correria do dia a dia.
   -Com a Peça Chave escolhida,  é só escolher qualquer outra peça que combine, que pode ser tanto peças que você usa sempre, como outas peças que você descobriu recentemente que tinha (na organização).
    -Se estiver sem idéias, vale pesquisar looks legais na internet ou revistas pra ter idéias de como usá-la.



Com a Peça Chave : Blusa Listrada, escolhi uma calça branca básica e um colar. Pronto!

Se eu não tivesse feito isso, provavelmente ia sair de casa de Jeans, sacarpin preto e uma regatinha branca, como sempre.

Na próxima vez, escolha outra peça chave. Se fizer isso com frequência, vai ver a quantidade de peças que você possui e a quantidade de idéias de combinações que podem surgir.
Com isso, aquela velha história de blusinha branca e calça preta do dia a dia acaba.
Vai demorar muito mais pra repetir suas roupas.
As compras começarão a ser mais conscientes, pois na hora de escolher já vai passando pela cabeça com o que vai combinar.
A meta agora é fazer isso pelo menos 3 vezes por semana!

terça-feira, 27 de janeiro de 2015

Guia Prático - BOM RETIRO

Aprendi com a minha mãe e a minha tia/madrinha, há muitos anos atrás, como procurar e fazer boas compras no bairro Bom Retiro.

Lá você encontra muitas lojas/confecções, que vendem varejo a preço de atacado, ou pelo menos muito mais barato que em lojas de shopping.
Muitas lojas de shopping e boutiques de bairro, compram no Bom Retiro e revendem a preços muito mais caros.
Já vi o MESMO vestido (com etiqueta da confecção igual e tudo) de R$60,00 no Bom Retiro, por R$200,00 em uma loja do shopping.

Isso não é segredo para muitas pessoas, mas então porque ainda preferem pagar mais caro no shopping?

A resposta é simples: - Ar condicionado, estacionamento próximo, ausência de sol/chuva, praticidade e bem menos lotado.

Existem pessoas que se aventuram a ir ao Bom Retiro e voltam de lá com as mãos abanando, dizendo que não encontraram nada.

Impossível.

O Bom Retiro tem roupas para quase todos os gostos e bolsos. Se você encontra roupas que te agradam no shopping, vai encontrar lá também. É só questão de saber procurar e ter paciência.

Dicas Importantes :



  • Ir ao Bom Retiro, é um teste de nervos e paciência e você precisa estar preparado pra isso.

  • As lojas costumam vender apenas em atacado durante a semana e 95% delas vendem a varejo no sábado.
  • Chegue cedo, por volta das 9:00hrs as lojas começam a abrir e por volta de 12:00hrs a maioria já esta fechando as portas.
  • O vestuário é importante.Use calçados confortáveis, pois o percurso é longo.
  • Use calças justas, como leggings e blusas justas ou tops de ginástica por baixo. A maioria das lojas não tem provadores, mas muitas delas permitem que você prove as peças por cima de suas roupas, bem ali no meio da loja. Então, estar com uma roupa justa, facilita pra ver o caimento das peças que você esta provando por cima.

O que fazer se não posso provar uma peça que gostei?


Você tem 2 opções:

  • Leve uma fita métrica com você. Você pode medir a peça e medir sua circunferência do quadril, por exemplo. É o suficiente pra saber se servirá.

Claro que isso não ajuda a saber sobre o caimento da peça, então use a opção 2.

  • Na rua José Paulino, existe uma galeria com restaurantes e banheiros. Eles cobram 1 real pelo uso do banheiro, que é limpo , grande e com espelhos. Lá você pode provar suas compras e se algo não ficar bom, você imediatamente volta na loja e efetua a troca.


Dinheiro

A melhor opção é dinheiro vivo. Saque uns R$300,00 e seja feliz.
Algumas lojas, ainda vivem no período das trevas e só aceitam dinheiro ou cheque (quem ainda usa isso?), principalmente as lojas que vendem roupas mais baratinhas.
A maioria das lojas já acordaram para a realidade do cartão de débito e algumas poucas começaram a aceitar crédito.
Se chegou lá e percebeu que não levou dinheiro suficiente, existem caixas 24horas por lá, é só perguntar.


Estilos de Roupas

No Bom Retiro, é possível encontrar uma variedade de estilos.

A maioria das lojas, segue a tendência da estação. Se por exemplo, as cores do próximo verão (assim como foi no fim de 2014) eram verdes, pinks,laranjas e amarelos, estampas florais e tropicais.

Estampas Tropicais Verão 2014/2015

Então você vai encontrar muitas lojas vendendo coisas parecidas. Mas não se engane, isso é o carro chefe. Dentro da loja, você pode encontrar peças bem diferentes do que o exposto na vitrine, por isso vale a pena entrar rapidamente na maioria das lojas e dar uma olhada rápida nas araras, dá pra encontrar grandes achados.

Em geral , os estilos de roupas mais vendidos lá são:
Moda Feminina em geral, Moda Evangélica, Vestidos de Festas, Tendências da Estação (Formais e Informais),  Roupas Sociais (para trabalhar, tipo escritório) e lojas de bolsas e acessórios.
Claro, que existem lojas de lingerie, moda plus size, moda praia, moda fitness, moda infantil, moda masculina, lojas de bijuterias e lojas de calçados. Mas não com a mesma relevância e quantidade.


Melhores dias de compras

A maior reclamação de todo mundo, é a quantidade de pessoas e sacoleiras que tornam o ambiente difícil de se locomover.
Fim e início de mês são as piores épocas.
Fim, porque sacoleiras e logistas estão comprando para repor seus estoques e o início do mês, que  fica lotado de pessoas que receberam seus salários.
Claro que em contra-partida, essas são as épocas em que você encontra as melhores peças para comprar.
Então você tem que escolher entre tranquilidade pra andar ou mais opções de modelos/tamanhos disponíveis.


Como se localizar

O Bom retiro é composto pela Rua José Paulino (rua principal), Rua da Graça, Rua dos Italianos , Rua Silva Pinto, Rua Júlio conceição e ruelas horizontais por onde só transitam pessoas a pé.
É possível chegar de carro, ônibus ou trem.
A estação de trem LUZ, fica bem no início da Rua José Paulino.
Começando por aí, as lojas iniciais são em sua maioria de moda Evangélica e roupas femininas em geral.

**Opinião pessoal:Considero esta uma área cara e com qualidade inferior.
Por ser muito próximo da entrada do Bom Retiro, muitas pessoas começam a andar por ali e desanimam logo nos 2 primeiros quarteirões. Mas keep going, o melhor esta por vir.

Do terceiro quarteirão em diante, a coisa começa a melhorar.
Nessa área você encontra muitos lojas especializadas em vestidos de Festa. Destaque pessoal para loja Ellouva, que fica no número 682 e a MKL, no número 684. Nelas é possível provar os vestidos, parcelar no cartão e ter bons descontos no pagamento a vista com dinheiro.

Último vestido que comprei na MKL


A partir destes quarteirões também são fortes em tendências da estação.
Você vai encontrar muitas vitrines bem parecidas.

Vale a pena entrar nas ruelas paralelas que eles chamam de Galerias.
Em sua maioria são pequenas lojas de confecção própria. Durante a semana, só vendem atacado, mas no fim de semana, eles vendem varejo e colocam muitas peças em bancas, do lado de fora das lojas.

Vale a pena garimpar, pois o preço é muito baixo. Peças de R$20, R$10 e até de R$5!!
Olhe com cuidado pois algumas possuem pequenos defeitos e não podem ser trocadas.
As vezes o defeito é um fiozinho puxado, uma manchinha que se você lavar ,provavelmente vai sair ou um botão que precisa ser reposto.
Mesmo as com pequenos defeitos,valem a pena pelo preço. O problema é ter que garimpar, porque não é garantido que encontre todos os tamanhos e/ou cores disponíveis.

Nessa área a maioria das lojinhas só aceita dinheiro vivo.
Isso esta mudando aos poucos, algumas já aceitam débito.

Nestas lojinhas não é permitido provar, as vezes deixam provar por cima da sua roupa.
Importante também é se atentar no tamanho, pois as confecções são em sua maioria asiáticas e eles são muito menores que nós. As vezes o P é muuuuuito P,rsrs
Vale a pena colocar a peça pelo menos na frente do corpo.

Do meio pra frente da José Paulino, indo até a Rua Júlio Conceição, o foco são tendências da estação e Roupas Sociais.
Terninhos, saia lápis, casaquinhos, camisas, calças de linho, de oxford, conjuntos, spencers e Blazers.
Você encontra desde as mais baratinhas de materias com menos qualidade e com acabamento inferior (sem forro), até conjuntos de blazer e saia de linho, super elegantes e bem cortados.



As roupas de tendência da estação do fim da rua José Paulino também são mais caras, porém com melhor acabamento.
No fim da rua José Paulino estão as 2 maiores lojas de roupas masculinas (e infelizmente você não vai a encontrar muitas outras ao longo do caminho), que são a UMEM e a BIOTWO.

Como costumo fazer:

Vou de carro, pela Marginal Tietê e entro pela rua Anhaia, estaciono próximo ao cruzamento da rua Júlio Conceição.
Começo a andar no Bom Retiro assim, do "fim pro começo".
Gosto muito das lojas da Júlio Conceição para comprar roupas mais socias, para trabalhar.
Se estou buscando vestidos de festa, além das lojas que citei acima ,que ficam no 3° e 4° quarteirão; a paralela Rua do Italianos também tem boas opções de vestidos finos.
Depois disso, sigo para José Paulino.
Muitas vezes nem chego a andar a rua toda, já encontro o que quero/preciso  (ou o dinheiro acaba), indo até a metade do caminho.

Gosto de garimpar as bancas das galerias, sempre tem uns achados. Já comprei vestido de festa lindo, por R$30,00!! Isso mesmo, TRINTA REAIS. Ele era o último, só tinha aquela cor e aquele tamanho. Não pude provar, comprei no escuro e me surpreendi quando cheguei em casa e ele caiu como uma luva.

Para mim, vale super a pena ir gastar a sola do sapato por lá.
Claro que não tem a mesma comodidade  e glamour do shopping, porém com o preço de uma peça de loja de grife, você compra 3 peças no Bom Retiro.


Então as dicas são essas, se prepare, deixe o preconceito de lado e boas compras. =)





segunda-feira, 19 de janeiro de 2015

Visto para EUA

Eu e meu marido iremos para Orlando em Março/15.


A viagem já estava decidida à muito tempo, porém ainda não tínhamos visto e isso me deixava insegura para comprar as passagens, hospedagem e etc.
Houvi muito a respeito, que o fato de você ter passagens compradas com data certa de retorno, te faz menos propício a ter o visto negado.
Por outro lado, tinha receio de comprar tudo, ter o visto negado e perder dinheiro tendo que cancelar e trocar as passagens.
Depois de ler muitos posts e falar com muitas pessoas diferentes, cheguei a algumas conclusões para tomar minha decisão:


  • O mais básico: Você precisa provar que irá voltar ao Brasil. Num resumo geral, todos os pontos se resumem a isso. 

Eles não querem imigrantes brasileiros lá (ou de qualquer outro país), vivendo na ilegalidade, trabalhando em sub-empregos ou  tirando o emprego de seus cidadãos.
Então, o melhor a fazer é conseguir provar por todos os meios possíveis, que vc tem laços fortes com o Brasil e que irá voltar pra cá. Laços como emprego fixo, graduação ou em andamento, família (marido/esposa e filhos) morando no Brasil, propriedades no nome (casa/carro), conta bancária no azul, nome limpo, mais de 25 anos.
Tudo aquilo que diga de uma certa forma, que você não vai chegar no USA e decidir largar tudo o que tinha aqui no Brasil em troca de um sub-emprego para receber uns dólares na terra do tio Sam.
Óbvio que existem casos de pessoas que estão indo visitar amigos e parentes, estão indo estudar ou a trabalho, então estou restringindo este post ao meu caso; 2 adultos de mais de 25 anos que estão indo passar 15 dias em Orlando.


  • Eu preencho todos os requisitos que citei acima, porém a questão de ter as passagens já compradas antes do visto era algo recorrente nos textos que lia e conversas que tinha.



  • Decidi então comprar as passagens, hospedagem e aluguel de carro, tudo de uma vez, e torcer pra dar certo.



  • Para emissão do visto, é necessário preencher o formulário no site do consulado americano, chamado DS-160.

Para minha surpresa, existem perguntas diferentes para homens e mulheres. O questionário masculino exige mais detalhes, mais informações, tais como: Emprego atual, empresas anteriores com contato e tudo; detalhes da última graduação; informações detalhadas do local de hospedagem, data de retorno e até número de E-ticket se já possuir!
Algumas informações, obviamente não são obrigatórias, como essas das passagens e hospedagem, até porque você não é obrigado a já ter comprado estes itens antes da emissão do visto. Em algum lugar do site do consulado eles até desestimulam essa prática, de comprar passagens/hospedadem  antes, o que é bem contraditório, visto essa diferença gritante do questionário, onde isso se mostra relevante (senão, não perguntavam).
Fica bem claro, que a preocupação com os homens é maior do que com as mulheres, em relação a demonstrar seus vínculos com o país.
Não sei dizer se existem outras mudanças no questionário com relação a idade, estado civil e outros.


  • Após preencher o questionário, você pagará a taxa, que com esse dólar nas alturas (Beijo Dilmão), ficou em mais de 800 reais (2 taxas). 


  • Depois do pagamento você agendará a visita no consulado. Em SP, são 2 visitas em locais diferentes. Uma no Centro de Atendimento ao Solicitante de Visto (CASV) e outra no consulado.


No primeiro você irá colher as digitais,  tirar foto e confirmar alguns dados. No segundo lugar, será a entrevista.


  • No CASV, o horário é agendado, mas vale a pena chegar um pouco antes, porque a fila costuma ser grande dependendo do horário. Se for de carro, estacione nos estacionamentos ao lado e largue todos seus pertences no carro. O melhor a fazer é entrar apenas com o passaporte e seus documentos e comprovante de pagamento da DS-160 numa pastinha L de plástico e só.

Celular tem que desligar e eles pedem pra ver se você desligou mesmo; bolsas e mochilas eles reviram inteira e te dão a maior canseira do universo pra te deixar entrar. Outros aparelhos eletrônicos também são expressamente proibidos.
Eu não vi nada de mais lá dentro, porém o esquema de segurança é forte e a intenção é não deixar que nenhuma informação ou imagem vase lá de dentro.
Na fila conferem seus documentos.
Não esqueça de levar a confirmação do DS-160, que é emitida depois que você efetua o pagamento. É o mais importante , pois lá terá um código de barras e é a confirmação de que você preencheu corretamente o formulário e fez o pagamento da taxa. E claro, o passaporte.
Não tem desculpa, sem esse papel você não entra e caso precisar alterar algo no formulário ou imprimí-lo, na frente do CASV, tem sempre alguém com uma impressora portátil e um notebook, disposto a te extorquir 30 reais (sério!) Pela impressão de 1 folha!! Welcome to jungle.
Depois de pegar a filinha básica, o processo é muito rápido. Entrega o passaporte e o papel com o código de barras, vai pra outra fila.
Eles te chamam pelo nome, tiram sua foto com máquina digital, tiram suas digitais e te devolvem seu passaporte e você esta pronto pra ir.
Mal falam com você.
Vale ressaltar que se você estiver tirando seu visto com mais uma pessoa (conjugê, filhos, pais), vale a pena preencher a opção do DS-160 para entrevista em conjunto.
Isso faz com que você faça tudo junto.
Era engraçado ver uma familia inteira de 5 pessoas se acotovelando em 1 guichê pequeno, porém isso otimiza tempo e é mais uma maneira de provar que você tem vínculos por aqui.
P.S.: Há, ele me pediram para levar uma foto 5*7 na entrevista, mesmo que eles tenham tirado a minha lá. Eles afirmam que o sistema pode dar problema e a foto pode não ser transmitida.
Paguei 20 reais em uma foto 5 X 7, que tirei as pressas, pois minha entrevista era no dia seguinte e no fim, não precisaram...Pior que é uma porcaria de tamanho que nenhum outro documento aceita. Enfim, vou guardar pra espantar moscas.


  • No dia seguinte foi a minha entrevista no Consulado. O horário também é agendado e lá não adianta chegar muito antes do horário, pois as filas são separadas por horários; vá de sapato confortável porque vc vai ficar um bom tempo em pé na fila.

Novamente, leve só os documentos, aqui celular não entra nem desligado e você é obrigado a deixar seus pertences fora. Se estiver sem carro, algumas pequenas lojinhas em frente cobram para serem guarda-volumes.
Depois da fila do horário, tem a checagem de documentos. Precisam do passaporte e do formulário impresso, que o site te envia por e-mail(idem a confirmação do DS-160) e só, qualquer coisa além disso, vc leva por conta.
Depois tem a fila da revista, com direito a raio-x e detector de metais.
Eu tive que virar a barra das calças pra cima e meu marido teve que tirar o cinto.
Depois disso é a última fila, que é a da entrevista em si.
Uma grande fila única se forma em frente a uns 10 guichês de vidro blindado.
Existem câmeras e funcionários por toda parte. Você esta sendo observado o tempo todo, lembre-se disso, apenas tente não se portar de alguma forma que chame atenção para você. Fique neutro.


  • É chegada a hora da entrevista. Se o seu processo de visto esta sendo feito com 1 ou mais pessoas, vocês vão todos juntos na mesma cabine. Lá, um oficial americano que fala português, vai pedir seu passaporte. Você passa por debaixo do vidro e ele acha as informações sobre você no computador dele.

Você não consegue ver as informações que ele esta lendo.

Agora uma impressão extremamente particular:
Você só vai até lá pessoalmente pra cumprir tabela, por procedimento, porque 99% da decisão se seu visto será aprovado ou negado, já esta tomado antes mesmo de você chegar lá. Eles só vão confirmar se você existe e te dar a notícia se deu certo ou não.
Eu e meu marido nos aproximamos do vidro.
Oficial: Bom dia
Nós: Bom dia
Oficial: -Passaportes por favor.
Oficial: -Coloque o indicador direito no leitor por favor.
Oficial: Vão para onde?
Marido: Orlando.
Eu: Orlando-Disney.
Oficial:Vocês trabalham em que?
Marido: Eu sou vendedor e ela trabalha com controladoria.
Oficial: Vendedor de que?
Marido: Iluminação.
(...)silêncio enquanto ele digitava algo.
Oficial: Visto concedido! Boa viagem!
Nós: Obrigado, boas festas.

Nossa entrevista durou 3 minutos entre caminhar até o guichê , falar com o oficial e sair.
Eu levei uma pasta cheia de documentos,as fotos 5 X 7, registro de casamento, carteirinha de vacinação,carteira de trabalho, carta da empresa, dizendo que eu estaria de férias remuneradas, documentos do financiamento da minha casa, comprovantes de residência , cópias de declaração de imposto de renda e etc. E ninguém pediu nada, nem sequer olhou. Aliás, ele só olhou diretamente pra nós, apenas quando falamos bom dia e quando disse que o visto foi concedido.
Por isso, acredito que a decisão já esta quase 100% tomada, antes de você chegar.
Creio que o importante é não ficar nervoso, não mentir e nem dar informações desencontradas, porque provavelmente eles reviram sua vida e antecedentes (criminais, financeiros, profissionais e educacionais) antes de você chegar.
Se responder qualquer coisa diferente da realidade, isso pode te prejudicar.
Não vi ninguém tendo o visto recusado enquanto eu estava na fila.
Menos de 5 dias depois recebi um e-mail dizendo que meu passaporte com o visto já estava disponível para ser retirado no CASV.

Enfim, conosco foi assim, muita tensão, medo e apreensão mas que no final super simples.

Ainda tive um bônus: saí bem apresentável na minha foto do visto, muito melhor que as fotos 5 X 7 que eu tive que pagar. :)

Disney, here we go!

quinta-feira, 15 de janeiro de 2015

Porquê escolhi o Kindle Paperwhite

Porquê escolhi o Kindle Paperwhite



Antes de tudo, o porquê eu quis comprar um e-reader.

Eu amo ler. Leio vários gêneros, mas gosto mesmo é de ficção , fantasia e distopias, afinal de real e cruel, já basta a nossa realidade do dia-a-dia.
Se eu tenho tempo, devoro um livro em menos de 2 dias.
Sou daquele tipo que não não come, não dorme, não conversa e mal respira, se o livro estiver bom.
Porém, não tenho muito espaço disponível para guardar meus livros em casa e vender, dar, doar ou jogar fora, não são opções pra mim. Sou egoísta, materialista e apegada (vou nascer como mosca de cocô na próxima vida).
E o outro motivo: $$$ financeiro.
Livros são caros aqui no Brasil, uma das concequencias da educação não ser prioridade por aqui e pra quem lê muito, sabe do que estou falando. Pagar mais que R$30,00 em um livro é uó. Pior que isso é que leio livros em inglês, livros que custam menos de 10 dólares e são incrivelmente convertidos em R$45,00!!! (dólar+impostos+lucro).
Então depois de muito pensar, decidi que por esses dois motivos - físico e financeiro - eu precisava de um e-reader.
Decidi ainda com dor no coração, porque eu adoro livros físicos e nem sabia se iria me adaptar.

Então comecei a pesquisar.

No mercado brasileiro, de fácil acesso, existem 3 opções: Lev, kobo e Kindle.
O preço dos 3 são similares e suas configurações também, o que dificulta e muito a escolha.
Os 3 possuem em média 6 polegadas, 17cm X 12cm, o tamanho de um livro de bolso, mas com a espessura de um celular, são leves, cabem na bolsa, mochila,pasta até no bolso.
Eles NÃO SÃO TABLETS, vale a pena ressaltar isso. Eles possuem apenas Wi-FI, ou 3g dedicado, para baixar os livros, fora isso, não dá pra baixar app´s, jogos ou acessar sites. Não é esse o foco dele.
Alguns modelos até são tablets também, mas são bem mais caros.
Eles são preto e branco, nada de cores.
São touch-screen e possuem menus simples para procurar livros na biblioteca e na loja e poucas configurações.
Alguns modelos possuem iluminação interna, o que permite a leitura confortável em ambientes escuros.
Mas porque não um tablet?
A pergunta que até eu me fiz. Já disse que gosto de ler o livro sem parar e isso cansa a vista. Ler no tablet, computador ou celular, com a luz que é emitida, também não é confortável e cansa.
O e-reader possue a tela fosca, não reflete nada, mesmo sob a luz do sol (testei na praia, funciona), a densidade das cores é feita para ser confortável aos olhos.
Realmente parece estar lendo papel.
E outra coisa que só se percebe quando se esta com um desses na mão ao invés de um tablet : ele não te distraí. Não tem luzes piscando, e-mail chegando, whatsapp bombando, solicitações do candy crush pra pentelhar e etc, nada disso. É uma página branca e letras pretas.Ponto.
Cabe trocentos mil livros dentro e a bateria dura mais de 2 semanas. Sim, isso mesmo, dura muito, mesmo com wi-fi.

Como escolhi entre as 3 marcas disponíves:

Primeiro eu defini minhas prioridades:
- Pagaria no máximo R$500,00
- O touch-screen PRECISA SER BOM (odeio touch ruim)
- Quero a opção de iluminação, pois leio muito a noite.
- Quero poder incluir meus arquivos de PDF que já estão salvos no meu PC.



Com essas prioridades, já eliminei os baratinhos das 3 marcas, que custavam em torno de R$299,00.
Com iluminação, subia em torno de 100 a 200 reais.
ainda estaria dentro do meu preço máximo.

Comecei analisar pelo LEV, que é vendido na Saraiva. Fui até uma loja e infelizmente a vendedora que me atendeu não sabia manusear o aparelho para me mostrar... Como tenho intimidade com eletrônicos, soube me virar no menu, que é simples, porém o touch-screen dele não é dos melhores, alguns segundos de travamentos e algumas vezes eu apertava um item do menu e ele selecionava outro. Aí nesse momento eu já descartei o LEV.
Ele não é ruim, apenas não atendeu aos meus critérios.

O KOBO é vendido pela livraria Cultura.
Li algumas reviews sobre ele na internet e ouvi muita gente falando sobre os travamentos e sobre problemas com a assitência técnica. Confesso que fui influenciada por esses comentários e o preço do Kobo Glo (opção com luz) e o Kindle Paperwhite era o mesmo  (R$479,00) então fui pesquisar sobre o kindle.

O Kindle é vendido pela Amazon BR, possui a opção com luz, que é o Paperwhite.
Li que o touch-screen era bem receptivo e apresentava poucos travamentos. Li comentários de usuários que tiveram problemas com travamento e a Amazon trocou por outro, sem maiores questionamentos.
Isso pesou muito pra mim, visto que pagar 500 dilmas em um gadget que serve apenas para ler e se o negócio trava e vai pro espaço e vc perde tudo!! Não e não!!
Até porque parece que para os 3 , essa história de travamento de tela é algo "usual" (medo!).
O Kindle ainda tem a opção de baixar seus pdf´s e baixar documentos e fotos na nuvem. Então se vc perder o gadget ou se ele trava e morrer, você ainda terá o backup facilmente dos seus livros na nuvem, que também podem ser vistos no pc, smartphone e tablets.

Acabei escolhendo o Kindle Paperwhite por estes motivos acima. Comprei pelo site em um dia e ele chegou no dia seguinte o.O
Ele realmente cumpre o que promete.
A interface é simples, o touch-screen dele responde rapidamente, a bateria dura 2 semanas em média (uso por uns 40 minutos a noite, com luz e wi-fi), consegui tranferir todos os meus pdf´s para nuvem, a compra pelo site é fácil. Enfim, fui feliz na minha compra.

Só tem um problema: Case.
O case original é um abuso, um preço absurdo por uma capa . em torno de R$130,00.


Comprar capas genéricas é bem dificil por causa do tamanho, que é menor que os tabletes convencionais e maior que os smartphones disponíveis...


Procurei muito e acabei achando opções mais em conta na livraria Cultura, que são originais para o KOBO GLO e servem certinho no Kindle Paperwhite, rsrs

Ps: Preciso confessar, ainda é difícil pra mim pensar que nunca mais vou comprar um livro físico :( , quem sabe um dia, rs

domingo, 4 de janeiro de 2015

Jacando em 2015

2015 chegou e meu projeto verão sem canga, morreu na praia, mais precisamente no fim do ano...
Eu estava indo bem na academia, religiosamente. Indo ao ballet também.
Eis que meu marido começou a pegar meu carro emprestado porque o dele quebrou e a preguiça que ele tem é maior que o mundo e ele não leva o dele pra arrumar - e isso foi só o princípio da ladeira.
O fato de dividir o carro com ele bagunça meus horários e eu sou um ser que vive na base do cronômetro e ele super nem aí com a hora do Brasil... Meu café da manhã parou de ser regrado, minhas idas a academia e ao ballet pararam de ser regradas e pra finalizar com chave de ouro, começaram os eventos de fim de ano....muuuuita comida, muita bebida, festas, confraternizações e o pior: panetones!
Santa Maria da celulite, eu não resisto a panetones, aliás , chocotones (detesto aquelas frutinhas- ecat!)
Quando meus gominhos no abdômen estavam começando a fazer aparições  (pelo menos nos meus sonhos), eu enfiei o pé na jaca.... Ho God...Why??
E aqui vamos nós novamente com as promessas de início de ano, principalmente depois que fiz umas fotos de biquini e além de me achar enooorme, outro maior problema: Eu tenho mania de contrair o glúteo por causa do ballet, a velha técnica pra encaixar o quadril.

Clique para aumentar

E lá estava eu, fazendo Stand Up Paddle, tentando parar em pé, contraindo até meus pensamentos.
No ballet é lindo, mas na vida real é quase um apocalipse! Toda a celulite até da sua alma, aparece se vc ficar apertando a musculatura da bunda pra dentro...Não tem Bella Falconi neste planeta que consiga contrair o glúteo e ainda mostrar uma bunda apresentável.
Enfim, deu ruim... tava feio que só.
Então essa é a meta pra pelo menos março: entrar na dieta decentemente e muita academia.

quarta-feira, 15 de janeiro de 2014

Livros que li: Inferno - Dan Brown


Sou leitora e fã declarada dos livros de Dan Brown.
Sempre envolventes, com temáticas atuais e polêmicas. Mescladas com a história das artes e conceitos religiosos.
Código da Vince, Anjos e Demônios, O Símbolo Perdido fazem muito essa linha.

Tenho um sonho enrustido, que é fazer apenas por hobby, um curso de história da arte, portanto, tenho essa grande afeição pelo Dan Brown.
Seus livros são quase um guia turístico de bolso.
Gostaria muito de poder visitar a Europa, usando algum livro dele como roteiro de visitação,rsrs
Alguém, provavelmente já deve ter realizado essa ideia.

O Inferno, seu último livro, é tão bom quanto os outros.
Aborda uma temática super atual que é a superpopulação mundial, seus efeitos e a possibilidade de extinção da espécie humana decorrente disso.
Um cientista louco quer dar um jeito de parar esse crescimento populacional desenfreado, porém com métodos pouco ortodoxos.
E nosso herói de terno de tweed, mais uma vez entra na história, meio sem querer e se mete numa super enrascada.
E o palco agora é a Itália e cheio de referências a Divina Comédia de Dante Alighieri.

O livro se inicia com a explicação do contexto, segue por uma busca desenfreada pelas cidades e pontos históricos/turísticos italianos e tem uma reviravolta incrível no fim, portanto (não desanime se estiver no meio do livro e estiver achando-o cansativo, vale a pena ir até o fim.


Agora que acabou, fica aquela tristezinha de não ter mais daquela história pra acompanhar...fico na espera da próxima encrenca em que o Langdon vai se meter, pra conhecer mais pontos turísticos.

quarta-feira, 18 de setembro de 2013

Compras na The Beauty Box - Pincéis TBB

Fui ao Shopping Tamboré e tive a agradável surpresa de conhecer uma loja física da The Beauty Box, que antes só conhecia a Loja Virtual.

A Loja é toda fofa, bem decorada e vende várias marcas importadas e diferentes, além de perfumes, também tem produtos próprios, que eles chamam de "Produtinhos da Beauty", dentre eles os pincéis que comprei.

Comprei 2 pincéis:
O Achatado curto E1  e o Ponta de lápis E3



O Achatado curto E1 é denso e macio. Deposita bem a sombra na pálpebra e não acumula produto.
É daquele tipo de pincel que você pode usar pra passar 3 cores diferentes pra compor um degradê, indo da sombra mais clara pra mais escura, sem precisar limpá-lo, pois ele não retém a sombra nas cerdas.
Ele é similar ao E55 da Sigma e ao 214 da MAC





Já o Ponta de Lápis E3 é denso, firme e pontudinho.
Tem a função de fazer traços mais precisos e marcados, como côncavo, acabamento de sombra gatinho e marcação rente aos cílios inferiores.
Estava a tempos procurando um assim. Sua maior vantagem sobre os outros é que suas cerdas são firmes. Outros pincéis no mesmo formato as vezes são macios de mais e perdem a forma quando pressionados sobre a pele, depositando a sombra de forma aleatória.

Ele é Similar ao E30 da Sigma e ao  219 da MAC

Paguei em torno de R$14,00 em cada um.

Aprovados!!